Festa da Sagrada Família – 31/12


Clique em “Sagrada Família” para ver a liturgia.

Leitura I: Eclesiástico 3,3-7.14-17

Deus honra o pai nos filhos e confirma, sobre eles, a autoridade da mãe. Quem honra o seu pai, alcança o perdão dos pecados; evita cometê-los e será ouvido na oração cotidiana. Quem respeita a sua mãe é como alguém que ajunta tesouros. Quem honra o seu pai, terá alegria com seus próprios filhos; e, no dia em que orar, será atendido. Quem respeita o seu pai, terá vida longa, e quem obedece ao pai é o consolo da sua mãe. Meu filho, ampara o teu pai na velhice e não lhe causes desgosto enquanto ele vive. Mesmo que ele esteja perdendo a lucidez, procura ser compreensivo para com ele; não o humilhes, em nenhum dos dias de sua vida: a caridade feita ao teu pai não será esquecida, mas servirá para reparar os teus pecados e, na justiça, será para tua edificação.

Leitura II: Colossenses 3,12-21

Irmãos: Vós sois amados por Deus, sois os seus santos eleitos. Por isso, revesti-vos de sincera misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência, suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos mutuamente, se um tiver queixa contra o outro. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai vós também.  Mas, sobretudo, amai-vos uns aos outros, pois o amor é o vínculo da perfeição. Que a paz reine em vossos corações, à qual fostes chamados como membros de um só corpo. E sede agradecidos. Que a palavra de Cristo, com toda a sua riqueza, habite em vós. Ensinai e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria. Do fundo dos vossos corações, cantai a Deus salmos, hinos e cânticos espirituais, em ação de graças. Tudo o que fizerdes, em palavras ou obras, seja feito em nome do Senhor Jesus Cristo. Por meio dele dai graças a Deus, o Pai. Esposas, sede solícitas para com vossos maridos, como convém, no Senhor.
Maridos, amai vossas esposas e não sejais grosseiros com elas. Filhos, obedecei em tudo aos vossos pais, pois isso é bom e correto no Senhor. Pais, não intimideis os vossos filhos, para que eles não desanimem.

Anúncio do Evangelho (Lc 2,22-40)

 22Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor. 23Conforme está escrito na Lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”. 24Foram também oferecer o sacrifício — um par de rolas ou dois pombinhos — como está ordenado na Lei do Senhor. 25Em Jerusalém, havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso, e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele 26e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor. 27Movido pelo Espírito, Simeão foi ao Templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a Lei ordenava, 28Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: 29“Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; 30porque meu olhos viram a tua salvação, 31que preparaste diante de todos os povos: 32luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”. 33O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. 34Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: “Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. 35Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”. 36Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 37Depois ficara viúva, e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do Templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 38Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. 39Depois de cumprirem tudo, conforme a Lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 40O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.

Reflexão

Neste domingo dentro da Oitava do Natal celebramos a Sagrada Família, modelo e ideal para todas as famílias cristãs. Nenhuma instituição da sociedade é tão bombardeada quanto a família. No entanto, ela permanece em pé e atravessa os séculos, por causa do amor que une os seus membros e de Deus que é o seu alicerce.

A primeira leitura fala dos deveres dos filhos para com seus pais, lembrando-os de que o cuidado e a atenção dedicados a eles jamais serão esquecidos. Dentre os dez mandamentos o único ao qual vem associada uma promessa é o referente aos pais: “Amarás teu pai e tua mãe, para que tenhas uma vida longa sobre a terra” (Ex 20,12). Esta Palavra soa alto em uma época em que se falta com o respeito, o carinho e a obediência aos próprios pais. Nós nunca perderemos em ser bons para eles.

A segunda leitura nos lembra que na família temos que ser suporte uns para os outros no amor e apresenta uma série de conselhos aos maridos, às esposas, aos filhos e aos pais. “Família” não é somente um grupo de pessoas morando sob o mesmo teto. Existe algo que vai além disso e faz deste agrupamento uma “instituição familiar”. Não são simplesmente os laços de parentesco, pois há pessoas que têm o mesmo sangue e não se dão uns com os outros. O diferencial está no “amor” que caracteriza os laços da união familiar.

O evangelho apresenta-nos a Sagrada Família cumprindo com suas obrigações religiosas, ao levar o menino Jesus ao Templo para ser consagrado ao Senhor onde, entre centenas de pessoas, Ele é reconhecido por dois anciãos, um que veio ao Templo movido pelo Espírito e outro que morava naquele lugar sagrado. Foi o olhar da fé que possibilitou a essas duas pessoas reconhecerem a glória escondida naquele menino, assim como é esse mesmo olhar que nos faz perceber a presença de Jesus em nosso meio.

Nós cremos que a família está dentro do projeto de Deus para o mundo, pois Ele quis fazer parte de uma família. Aliás, Ele mesmo é uma família na Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Nós cremos na família e queremos proclamar isto nessa liturgia. Na festa da Sagrada Família, rezemos por nossas famílias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *